Usina de Belo Monte, Bacia do Rio Xingu

Posted: sexta-feira, 16 de novembro de 2012 by Emmanuel do N. Sousa in
0


Eu nunca fui muito fã de "índio" não mas, me curvo à ação de grandes brasileiros que lutaram contra as forças hierárquicas superiores para alcançar objetivos sociais, assim como o fizeram os Irmãos Villas-Bôas, responsáveis pela criação do Parque Nacional do Xingu!

À cada dia tenho certeza que a ganância do homem, em nosso caso dos brasileiros, não vê fronteiras entre o ético e o anti-ético, o moral e o imoral, o certo ou o errado...

Ainda existe uma certa raiva incontida nestes exploradores da natureza por não poderem absorver de forma plena todos os recursos ainda disponíveis em nosso país, entre eles o que resta da mata nativa na Floresta Amazônica, incluindo sua fauna e flora.

Enquanto não derrubarem a última árvore, enjaularem o último dos animais ou expulsar o último dos índios nativos, não haverá sossego.

Devagarzinho o próprio Governo Federal trata de ir soltando à conta-gotas o "Direito" aos exploradores capitalistas de irem 'comendo-pelas-beiradas' como se come papa e, presumo, que nossa Floresta Amazônica corre o sério risco de ser dizimada pela ação implícita - bem como pela legalização promovida pela União - como é o caso da instalação da Usina de Belo Monte, na bacia do Rio Xingu, em plena reserva criada pela luta incansável de homens e mulheres que desbravaram nosso Brasil, e encontraram em suas expedições grupos étnicos morando em nosso territócio, mas que nunca houvera contactado outros brasileiros.

É à essas pessoas que se doam por seus pares á quem devo respeito... É essa luta que não pode ser banalizada... Aliás, nós mesmos como brasileiros que somos não merecemos padecer nas mãos de mercenários exploradores dos recursos naturais existentes na Amazônia, muito menos com a conivência do Governo Federal.



A hidrelétrica de Belo Monte (pasmém!) é considerada a maior obra do PAC - Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal. 

Saiba mais: http://www.socioambiental.org/esp/bm/index.asp

0 comentários: