Futebol: Assunto 'Indiscutível' da Semana

Posted: sexta-feira, 13 de maio de 2011 by Emmanuel do N. Sousa in
0

 

Futebol, política, religião... todo mundo diz que são assuntos indiscutíveis mas, basta um primeiro ‘pitaco’ para que ninguém mais sustente o ‘politicamente correto’ e parta para defesas dos seus pontos de vistas.

O indiscutível da semana é o futebol.

Depois do show de MMA que foi o último embate entre Treze e Botafogo em Campina Grande, que teve em seu conjunto final dos ocorridos ferido os brios da sociedade pessoense, dentre estes, alguns integrantes da classe jornalística que inadmitem que ainda esteja em nossa cidade a supremacia do futebol paraibano.

Uma semana atrás foi nosso representante, o Treze FC, que sofreu uma goleada vergonhosa em João Pessoa, teve motivos para criticar a arbitragem, agüentou o revanchismo natural entre os torcedores que exacerbam no bairrismo e, mesmo assim, não ‘estribuchou’, muito menos mobilizou as forças do Poder Legislativo local para realizar qualquer Sessão Ordinária para discutir sua derrota, fruto da sua própria incompetência técnica durante os 90 minutos jogados.

Passada uma semana, no jogo de volta, com o resultado invertido em favor do time do Treze, cronistas esportivos do rádio e da TV fizeram valer o a força do “Quarto Poder” e mobilizaram toda a sociedade pessoense, até a Assembleia Legislativa, em favor de um levante contra a arbitragem, contra o Treze e, claro, contra o futebol de Campina Grande que anos após ano, vem jogando pás e mais pás de terra sobre a sepultura do Botafogo e do (já finado) Auto-Esporte.

Algumas campanhas foram lançadas pressionando a presidente da Federação Paraibana de Futebol, tentando através da sua desestabilização pessoal o impulso necessário para uma atitude institucional em favor do intento dos dirigentes e torcedores do Belo da Capital.

Diante disso, o Botafogo já fez seu primeiro gol, conseguindo suspender a primeira partida final do 2º turno do Campeonato Paraibano que seria disputado entre os Maiorais do Estado da Paraíba, Treze FC e Campinense Club.

Agora está nas mãos dos ínclitos magistrados do Tribunal de Justiça Desportiva o desfecho biônico desse entrave; se o Botafogo, que não teve competência para impedir que o Treze marcasse quatro gols, ou o Treze que, após conseguir o feito considerado ‘impossível’ de empatar a disputa, utilizou-se de atitudes anti-esportivas como provocação, violência e cai-cai de jogadores impedindo que a partido transcorresse seus 90 minutos regulamentares por insuficiência de atletas em campo.

O culpado de tudo isso foi o próprio Treze FC, quando em atitude de extrema pequenez, sob orientação não se sabe de quem (presidente ou técnico) provocou o final do jogo. Um resultado construído “nas quatro linhas” pode ter seu revés se os ‘homens-de-toga’ acharem que realmente fora ato proposital.

Mais alguns minutinhos, mesmo que jogando feio, retrancando-se como pudesse teria mantido o placar como resultado definitivo e estaríamos comemorando, mais uma vez, a manutenção da hegemonia do futebol do nosso Estado com as agremiações de Campina Grande.

Para campinenses em pessoenses, lançar campanhas nas redes sociais do tipo “#Fica Rosilene” ou “#Sai Rosilene” vai render o mesmo resultado que as velhas pichações em paredes: NADA!

Vamos aguardar o resultado, porém, lembrando que se o tapetão vencer, o Campinense Club ainda tem chances de chegar à final do Campeonato Paraibano, aí sim, restabelecendo a ordem natural das coisas!

0 comentários: