A Paraíba e a Anarquia das Oposições

Posted: segunda-feira, 13 de dezembro de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
0

É por isso que o estado da Paraíba não vai pra frente!

Quando será que as forças políticas do nosso estado cumprirão o que prometem em suas campanhas eleitorais, quando dizem que “[...]se eleito for, lutarei pelo desenvolvimento do nosso Estado[...]”?

Que bravata!!!

A conduta mais utilizada aos detentores de mandatos eletivos, após início do exercício do cargo, é tomar partido, leia-se “escolher de lado”, entre concordar com os atos do poder executivo, ou estabelecer a anarquia política denominada “oposição”.

É o caso com que irá se deparar o governador eleito Ricardo Coutinho, por exemplo, com a bancada de deputados do PT que resolveram, através de decisão da cúpula estadual do partido, não participar da harmonia pretendida para a condução dos trabalhos da Assembleia Legislativa.

Em Campina Grande, outro exemplo, o atual prefeito Veneziano Vital enfrentou seis anos de marcação cerrada do Legislativo campinense aos planos administrativos, onde o Executivo não conseguiu emplacar nenhum dos grandes projetos enviados pelo gestor municipal, onde a Câmara de Vereadores lhe oferecia a chamada “oposição por oposição” da antiga maioria de edis ligados ao grupo liderado pelo ex-governador Cássio Cunha.

O próprio estado sofreu nesse curto período da transição entre 2009 e 2010, quando a maioria dos deputados migrou de situação para oposição após a cassação de Cássio Cunha e posse de José Maranhão, não oferecendo conforto aos intentos do Executivo estadual, ao contrário do que ocorria entre 2003 e 2008 quando essa mesma maioria não “pestanejava” para os projetos do então governador.

Enquanto essas lideranças eleitas pelo “voto popular” não tomar consciência de que eles estão ali assumindo a posição de representantes de uma comunidade e, não, de si próprios, nosso estado e seus municípios perecerão por estas atitudes mesquinhas e egoístas de quem não tem compromisso nenhum com a destinação das políticas públicas para a melhoria da qualidade de vida de toda a sociedade.

0 comentários: