Rio de Janeiro em Guerra!!

Posted: quinta-feira, 25 de novembro de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
1

Tanques da Marinha abrem caminho nas ruas do Rio de Janeiro
Ao contrário do que a população esperava, a instalação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) nos morros e favelas do Rio de Janeiro provocou uma onda de ataques bélicos com incêndio de veículos nas ruas, promovidas pelos traficantes que dominam os morros cariocas, assustanto os moradores da região desde o dia 21 de Novembro último.

O comandante-geral da Polícia Militar do Rio, atribuiu a onda de violência impetrada como sendo uma ação orquestrada por uma única facção criminosa com objetivo de causar pânico na população e de desacreditar a política de segurança pública do Estado. Apesar de não nominar esta facção, fazia uma referência clara ao Comando Vermelho. 

Com o agravamento das inventidas, o governo estadual solicitou o apoio logístico da Marinha. Hoje tanques blindados da armada já participam ativamente das operações. A corporação informa que a mobilização refere-se, apenas, a utilização dos meios de transportes e guarnição necessária à operação e manutenção desses veículos.

Agentes do BOPE em ação 
A marginalidade no Rio de Janeiro é uma questão cultural em determinadas áreas, sendo derivada do processo de favelização iniciado nos anos 50 e 60 no subúrbio carioca; existem bandidos capturados pela força policial local que já representa a terceira geração de marginais dentro de um mesmo grupo de moradores.

A estratégia do Estado com a investida militar é suprimir o terrorismo protaganizado pelos traficantes, sendo inclusive convocados os PMs de folga para que se apresentem aos seus comandos. Dessa forma, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, pediu que a população não se acovardasse diante da onda de ataques e que a política de segurança pública estadual seja respaldada.

1 comentários:

  1. Joelmar says:

    só uma adendo, o início da favelização no rio de janeiro não ocorreu como tantos pregam por ai, no século 20, mas sim muito antes, logo após a liberetaçnao dos escravos, bandidos locais da época, e escravos que não tinham aonde ficar pois não queriam continuar se sujeitando a condições sub-humanas foram empurrados para os morros da época, tal como o morro do castelo que hoje não existe mais, na região central da capital carioca. infelizmente a violência é muito mais do que a televisão passa. e as suas raízes estão muito mais fortes pois o carioca é em si, corrupto. adora o jeitinho, passar alguém para trás. Se sente feliz em saber que fez um "otário de mané". vi e vivi isto por 10 anos.