O Rio de Janeiro Continua Lindo!

Posted: segunda-feira, 29 de novembro de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
0


O que parecia improvável aconteceu: o narcotráfico carioca foi vencido!

Depois de quase três décadas de domínio das áreas de morro no Rio de Janeiro, o Complexo do Alemão teve o dia de ontem como a sua "tomada" por parte das forças de paz, composta pela aliança da Polícia Militar, Polícia Civil, BOPE, Polícia Federal, Marinha, Exército e Aeuronáutica.

A ação enérgica mostrou que se estas organizações tivessem unido forças antes, teria obtido sucesso nas incontáveis tentativas de entrada nos morros dominados pelo narcotráfico.

Com um show de imagens na cobertura oferecida pela mídia aberta e à cabo, a operação que durou uma semana teve conotação de guerra e suas investidas foram difundidas para todo o mundo pelo trabalho incansável dos profissionais de imprensa que acompanhavam as tropas aliadas diuturnamente.

O dia 28 de Novembro de 2010 terá para os cariocas, guardadas as proporções, a mesma importância que teve a "Tomada de Monte Castelo" na II Guerra Mundial, onde o sucesso do ataque só foi conseguido após várias tentativas frustradas, incontáveis perdas, além do conjunto de vários fatores que impediram o êxito pretérito; porém, foi a batalha chave para a vitória da guerra e é esta a mesma comparação que a polícia carioca está usando para a importância da tomada do complexo do Alemão.

Um dos capitãos de polícia afirmou na noite desde domingo ao programa Fantástico, da Rede Globo, que a partir de agora, os marginais estão desguarnecidos de logística, armamentos e drogas para o comércio, portanto, enfraquecidos e "menos marginais" segundo sua próprio colocação.

O Brasil acompanhou atentamente todo o progresso da ação durante toda a semana e ontem todos pudemos regozijar o êxito empreendido e nos alegrar, mesmo que à distância, juntamente com toda a população carioca que, a partir de agora, poderá contar com as guarnições policiais oferencendo paz, tranquilidade e segurança em áreas desprovidas desse Direito Público, antes "provido" pela marginalidade.

Algumas imagens marcantes da ação:

Rio de Janeiro em Guerra!!

Posted: quinta-feira, 25 de novembro de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
1

Tanques da Marinha abrem caminho nas ruas do Rio de Janeiro
Ao contrário do que a população esperava, a instalação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) nos morros e favelas do Rio de Janeiro provocou uma onda de ataques bélicos com incêndio de veículos nas ruas, promovidas pelos traficantes que dominam os morros cariocas, assustanto os moradores da região desde o dia 21 de Novembro último.

O comandante-geral da Polícia Militar do Rio, atribuiu a onda de violência impetrada como sendo uma ação orquestrada por uma única facção criminosa com objetivo de causar pânico na população e de desacreditar a política de segurança pública do Estado. Apesar de não nominar esta facção, fazia uma referência clara ao Comando Vermelho. 

Com o agravamento das inventidas, o governo estadual solicitou o apoio logístico da Marinha. Hoje tanques blindados da armada já participam ativamente das operações. A corporação informa que a mobilização refere-se, apenas, a utilização dos meios de transportes e guarnição necessária à operação e manutenção desses veículos.

Agentes do BOPE em ação 
A marginalidade no Rio de Janeiro é uma questão cultural em determinadas áreas, sendo derivada do processo de favelização iniciado nos anos 50 e 60 no subúrbio carioca; existem bandidos capturados pela força policial local que já representa a terceira geração de marginais dentro de um mesmo grupo de moradores.

A estratégia do Estado com a investida militar é suprimir o terrorismo protaganizado pelos traficantes, sendo inclusive convocados os PMs de folga para que se apresentem aos seus comandos. Dessa forma, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, pediu que a população não se acovardasse diante da onda de ataques e que a política de segurança pública estadual seja respaldada.

O STF DE GILMAR MENDES

Posted: quarta-feira, 24 de novembro de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
0

Não é de hoje que o STF vem denegrindo a moral, a ética e a condução jurídica das aplicabilidades legais desse nosso Brasil tão carente de "Ordem e Progresso".

Ontem, o médico Roger Abdelmassih, famoso incubador de seres humanos da capital paulista, acusado de praticar 56 (cinquenta e seis) estupros em pacientes em sua clínica particular, teve sua sentença deferida pela juíza Kenarik Boujikian Felippe da 16ª Vara Criminal de São Paulo, incrivelmente condenado a cumprir uma pena de (sic!) 278 anos de prisão.

Após sentenciado pela acusação de prática de 56 estupros à pacientes em sua clínica localizada em área nobre da capital paulista, o Ministro Gilmar Mendes, presidente do "Supremo" considerou irrelevante qualquer argumento e, através de uma liminar,  concedeu o direito do réu recorrer da sentença em liberdade.

Em um processo que envolveu mais de 200 pessoas ouvidas, dentre este universo 35 mulheres afirmando terem sofrido assédio e/ou abuso sexual no interior da clínica, o médico negou os abusos, dizendo que apenas dava beijos no rosto das pacientes, como se fora um afetuoso ósculo familiar, desprovido de segundas intenções.

Mas, nada disso bastou para se fazer cumprir a determinação judicial impetrada: O STF interveio e "libertou" o cínico que já teve seu registro profissional cassado pelo CRM.

Quero fazer minhas as palavras do ínclito Ministro Joaquim Barbosa, uma voz que teima em desafiar os vícios da Suprema Corte, no que tange ao deferimento de decisões jurídicas: "Ministro Gilmar Mendes, o senhor está destruindo a Justiça desse país!".

Roxette no Brasil: o que parecia sonho, tornar-se-á realidade em 2011!!!

Posted: quarta-feira, 17 de novembro de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
1


Há algum tempo eu dizia em círculos coloquiais que nunca houve tanta facilidade para se deslocar para qualquer lugar desse Brasil imenso como hoje em dia; as constantes promoções oferecidas por determinadas empresas de transporte aéreo ditam o ritmo do turismo nacional em várias estações do ano!

Entretanto, por este fato, eu lamentava não ter esta vertente no (não tão) longíquo ano de 1999, quando se dera a última turnê mundial da dupla sueca Roxette, formada por Marie Fredriksson e Per Gessle, divulgando o disco "Have a nice day".

O meu lamento era fundamentado ao fato da dupla ter, presumidamente, sido encerrada em 2002 haja visto o grave problema de saúde enfrentado pela vocalista Marie Fredriksson (um câncer no cérebro), que inclusive lhe tomou a visão do olho direito. 

Em leituras pretéritas já me inteirava do progresso do tratamento imposto, prenunciando o sucesso com o pleno restabelecimento da cantora que, através de projeto solo "comemorava" a cura, com o lançamento do álbum intitulado "Min Bäste Vän" (Meu Melhor Amigo), contendo regravações de músicas que ela ouvia na infância.

O que me enche de júbilo, neste momento em que escrevo, é a leitura da notícia mais inesperada que eu poderia ter em relação ao meio artístico mundial: o retorno da dupla Roxette, com turnê mundial agendando quatro shows no Brasil no início de 2011!!!!!

A primeira apresentação acontece em Porto Alegre, no Pepsi On Stage, no dia 12 de Abril. Depois, no dia 14, a dupla toca no Credicard Hall, em São Paulo e, no dia 16, no Citibank Hall, no Rio de Janeiro. Por fim, o Roxette encerra a sequência de shows no dia 17 no Chevrolet Hall, em Belo Horizonte.

Bom, repetidamente meus amigos (e esposa) me ouviram dizer: "[...]o único show que me faria viajar pra qualquer parte do país para assistí-lo seria do Roxette, entretanto [...]".

Preciso nem prognosticar que já preciso me programar pra uma "viagenzinha" em Abril/2011... só preciso escolher para qual destino!

Você Desvaloriza a Cultura? (por Rodolpho Raphael)

Posted: terça-feira, 9 de novembro de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
0

(*)Texto Originalmente Publicado no Portal Noticia Esperancense

Estava sem sono e como minha TV estava ligada fiquei observando um grupo de Teatro no programa do Jô Soares e algo que me chamou bastante atenção, em uma das apresentações  a música usada pelos artistas na dança foi  “Feira de Magaio” do inesquecível Sivuca, paraibano  natural de Itabaiana que desde criança a soube tocar extraordinariamente Sanfona , e já adulto Fez enorme sucesso no exterior. 

Comecei a analisar que a Paraíba além de apresentar um grande potencial turístico, também possui um grande acervo da Cultura Popular, e tudo isso vem da criatividade do povo e das manifestações folclóricas cultivadas de geração em geração tornando-se notória pela diversidade de talentos artísticos, que têm conquistado o mundo através da força de suas obras nos mais diversos gêneros.

Com isso, a importância e a valorização da diversidade cultural estão interligadas à busca da solidariedade entre os povos, à consciência da unidade do gênero humano e ao alargamento dos intercâmbios culturais. Os processos de globalização, individualizados pela rápida evolução das tecnologias da informação e da comunicação compõem hoje desafios para a preservação e a ascensão dessa heterogeneidade, criando subordinação e ameaçando a confabulação permanente entre culturas e grupos sociais.

Apesar de conhecida mundialmente, pode-se dizer que a Paraíba, não dá valor a sua cultura, o único momento em que vemos o “amor” e o orgulho para com a produção cultural é o período junino, momento de confraternização entre os nordestinos e turistas de diversos estados ou até mesmo países que ficam encantados com a diversidade cultural existente na Paraíba e tão pouco valorizada pelos seus.

Tenho um enorme receio de que a próxima geração não saiba quem foram os grandes nomes da música cultural nordestina como Sivuca, Marinês, Luiz Gonzaga, Elba Ramalho, Jakson do Pandeiro, Zé Ramalho, Tenho medo de que os adultos do futuro não saibam o que é a importância de uma Literatura de Cordel, não dêem o valor adequado a uma poesia, a dramaturgia, ao artesanato, enfim, que haja um declínio, ou melhor, extinção em conseqüência da omissão em não valorizar a cultura – patrimônio nosso, que contribui com o conhecimento da riqueza e das peculiaridades de cada região.

É necessário que os governantes elaborem e implante projetos que dê ênfase à cultura durante os 365 dias do ano e não somente 30 dias, que a educação interligada sempre a culturalidade possa trabalhar com os alunos a literatura de cordel, a música de nomes paraibanos, a própria historia da cultura e conseqüentemente induzir com que as crianças, os adolescentes e jovens possam começar a valorizar o artesanato e a poesia local sendo multiplicadores da verdadeira interculturalidade paraibana.

(*)Rodolpho Raphael
Natural de Esperança,  é Graduando em Jornalismo pela UEPB – Universidade Estadual da Paraíba, Publicidade e Propaganda pela CESREI, atualmente seus artigos de Opinião estão sendo Publicados no Observatório da Imprensa da Unicamp, é Colunista do Jornal a Folha de Esperança, Diretor Presidente do Portal Noticia Esperancense e Assessor de Marketing Politico.

Paraíba: Quem Sobe e Quem Desce (Balanço das Eleições)

Posted: segunda-feira, 8 de novembro de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
0

Na análise "contábil" das Eleições 2010 após seu resultado final, fica caracterizado que o saldo negativo atingiu mais ativos políticos do que supunham os apostadores ao início do pleito. Figuras que despontaram recentemente no cenário estadual como Veneziano Vital, ou Nabor Wanderley saem com suas imagens rebuscadas pela incerteza dos seus projetos futuros, haja visto o insucesso do projeto macro da re-eleição do então Governador José Maranhão.

(CLIQUE PARA AMPLIAR)

Presidente, ou Presidenta??

Posted: quinta-feira, 4 de novembro de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
0

A partir de 1º de janeiro de 2011, o Brasil estará experimentando o ineditismo da presença de uma mulher no comando da República, na figura da recém-eleita Dilma Rousseff.

Desde já, órgãos de comunicação já tratam-na como detentora do mandato presidencial porém, variando sua linguagem ao tratar-lhe como "presidente" ou "presidenta".

E qual é a forma correta?

Segundo o professor Sérgio Nogueira, famoso pela assessoria prestada ao programa Caldeirão do Huck, da Rede Globo, no quadro Soletrando, ambas as formas estão corretas e são, portanto, aceitáveis em qualquer utilização.

Optar pelo termo "presidente", é fazer uso da forma comum de dois gêneros da língua portuguesa, à exemplo de "o" artista e "a" artista, ou "o" jornalista e "a" jornalista.

Portanto, deixando de lado a dúvida entre certo ou errado, fica a questão da preferência de uso ou padronização do termo junto a determinado órgão de comunicação.


Fonte: G1 - Sérgio Nogueira

Brasil: Eleições 2010 - Resultado Final (Presidência)

Posted: segunda-feira, 1 de novembro de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
0

100,00% das seções apuradas - Fonte: TSE - Tribunal Superior Eleitoral



Dilma - 13 - PT - Para O Brasil Seguir Mudando
55.752.483 votos
56,05% % validos

  José Serra - 45 - PSDB - O Brasil Pode Mais
43.711.162 votos
43,95% % validos

  • votos válidos 99.463.645 (93,30%)
  • votos brancos 2.452.594 (2,30%)
  • votos nulos 4.689.397 (4,40%)
  • abstenção 29.196.864 (21,50%)
  • total 106.605.908

RICARDO COUTINHO ELEITO GOVERNADOR!

Posted: by Emmanuel do N. Sousa in
4


A Paraíba virou a página!

A bipolarização do governo do estado entre Cássio Cunha Lima e José Targino Maranhão chegou ao fim neste dia 31 de Outubro de 2010, quando 53,70% dos paraibanos sufragaram o número 40 nas urnas eletrônicas elegendo Ricardo Coutinho como novo governador para o quadriênio 2011-2014.

Depois de uma campanha de primeiro turno em que os institutos de pesquisas lhe consideravam o “derrotado” do processo, sua votação surpreendeu todo o Estado ao superar José Maranhão, até então favorito e encerrar o pleito em primeiro turno como pleiteante mais votado, forçando a decisão para o segundo embate.

A posição de segundo colocado incomodou o grupo do atual governador José Maranhão, entre eles, os prefeitos de Campina Grande, Veneziano Vital; de Patos, Nabor Vanderley; além do senador eleito Vital Filho, todos considerados “incompetentes” por não traduzir suas potencialidades pessoais em votos transferíveis ao governador em pleito de reeleição.

Aparentemente, o “desconhecido” Ricardo Coutinho, aos olhos do interior do Estado apresentou melhor performance eleitoral ao ser apresentado durante o processo pelo ex-governador Cássio Cunha Lima, que, mesmo desprovido de qualquer mandato eleitoral e, ainda, considerado “Ficha-Suja” à luz da Justiça Eleitoral (até esta data), demonstrou possuir um grande poder de persuasão e carisma junto ao eleitorado de todo o estado, haja visto ter sido considerado o braço-motor da campanha do socialista pessoense ao governo do Estado.

De certo, a Paraíba quebra uma rotina que vem perdurando desde o ano de 1995 quando o governador eleito, Antonio Mariz, falecera dispondo o cargo como herança ao vice José Maranhão. Daí pra frente, o cargo foi uma sucessão idas e vindas: José Maranhão disputa com Gilvan Freire e se re-elege em 1998, Cássio é eleito em 2002 superando Roberto Paulino (então governador) e é re-eleito em 2006, vencendo José Maranhão em confronto direto, sendo destituído deste mandato em 2009 por força da Justiça, transferindo o poder, mais uma vez, para as mãos de José Maranhão.

Agora, o povo paraibano disse: BASTA!

Ricardo Coutinho vem representar esse grito de intolerância, de forma que jogam-se nele as esperanças de que esteja surgindo uma terceira força na política estadual, para que seus projetos sejam expressos no planejamento de governo para os próximos quatro anos.

O novo cenário político do estado da Paraíba também consolida a participação do campinense Rômulo Gouveia como vice-governador eleito. Figura das mais carismáticas do nosso cotidiano, alçado ao executivo estadual após dois insucessos na tentativa de ser prefeito de Campina Grande.

No mais, a equipe de governo de Ricardo Coutinho já deve ser formada o mais rápido possível para, à partir das atividades de transição, se tomar ciência da real situação da saúde administrativa do Estado. Para isso, apenas dois meses se apresentam como tempo disponível para preparar o novo staff para encarar o desafio de “mudar a Paraíba”, como propôs o slogan de campanha do primeiro pessoense eleito governador do Estado, Ricardo Vieira Coutinho.

Paraíba: Eleições 2010 - Votação por Municípios (%)

Posted: by Emmanuel do N. Sousa in
0


Municípios
Ricardo Coutinho %
José Maranhão %
Água Branca
 64,45  35,55
Aguiar
 37,18  62,82
Alagoa Grande
 53,17  46,83
Alagoa Nova
 53,59  46,41
Alagoinha
 59,76  40,24
Alcantil
 50,50  49,50
Algodão de Jandaíra
 37,09  62,91
Alhandra
 50,37  49,63
Amparo
 44,24  55,76
Aparecida
 62,21  37,79
Araçagi
 50,33  49,67
Arara
 49,52  50,48
Araruna
 44,16  55,84
Areia
 61,57  38,43
Areia de Baraunas
 59,47  40,53
Areial
 56,66  43,34
Aroeiras
 48,73  51,27
Assunçao
 23,07  76,93
Baia da Traição
 53,82  46,18
Bananeiras
 53,04  46,96
Barauna
 61,25  38,75
Barra de Santa Rosa
 59,32  40,68
Barra de Santana
 56,41  43,59
Barra de Sao Miguel
 36,83  63,17
Bayeux
 54,66  45,34
Belém
 45,21  54,79
Belém do Brejo do Cruz
 51,95  48,05
Bernardino Batista
 32,64  67,36
Boa Ventura
 36,12  63,88
Boa Vista
 54,58  45,42
Bom Jesus
 54,09  45,91
Bom Sucesso
 53,74  46,26
Bonito de Santa Fé
 39,86  60,14
Boqueirão
 54,46  45,54
Borborema
 45,19  54,81
Brejo do Cruz
 68,84  31,16
Brejo dos Santos
 52,64  47,36
Caapora
 51,59  48,41
Cabaceiras
 67,22  32,78
Cabedelo
 44,91  55,09
Cachoeira dos Índios
 52,90  47,10
Cacimba de Areia
 42,52  57,48
Cacimba de Dentro
 41,33  58,67
Cacimbas
 45,98  54,02
Caiçara
 43,86  56,14
Cajazeiras
 54,28  45,72
Cajazeirinhas
 37,03  62,97
Caldas Brandao
 50,24  49,76
Camalau
 65,42  34,58
Campina Grande
 62,89  37,11
Campo de Santana
 54,23  45,77
Capim
 51,83  48,17
Caraubas
 41,41  58,59
Carrapateira
 36,72  63,28
Casserengue
 56,74  43,26
Catingueira
 41,02  58,98
Catolé do Rocha
 56,29  43,71
Caturité
 53,49  46,51
Conceiçao
 52,38  47,62
Condado
 50,73  49,27
Conde
 49,25  50,75
Congo
 45,49  54,51
Coremas
 54,37  45,63
Coxixola
 68,90  31,10
Cruz do Espirito Santo
 50,27  49,73
Cubati
 47,92  52,08
Cuité
 50,52  49,48
Cuité de Mamanguape
 45,44  54,56
Cuitegi
 54,50  45,50
Curral de Cima
 50,76  49,24
Curral Velho
 78,06  21,24
Damião
 41,09  58,91
Desterro
 55,16  44,84
Diamante
 47,24  52,76
Dona Inês
 59,42  40,58
Duas Estradas
 42,84  57,16
Emas
 53,25  46,75
Esperança
 53,09  46,91
Fagundes
 47,19  52,81
Frei Martinho
 50,25  49,75
Gado Bravo
 50,11  49,89
Guarabira
 49,20  50,80
Gurinhém
 50,05  49,95
Gurjao
 40,13  59,87
Ibiara
 43,02  56,98
Igaracy
 68,25  31,75
Imaculada
 56,68  43,32
Ingá
 55,63  44,37
Itabaiana
 28,11  71,89
Itaporanga
 56,03  43,97
Itapororoca
 39,84  60,16
Itatuba
 47,79  52,21
Jacarau
 42,29  57,71
Jerico
 53,97  46,03
João Pessoa
 58,17  41,83
Juarez Távora
 52,27 47,73
Juazeirinho
 46,45 53,55
Junco do Seridó
 49,50 50,50
Juripiranga
 55,80 44,20
Juru
 75,30  24,70
Lagoa
 41,37  58,63
Lagoa de Dentro
 51,71  48,29
Lagoa Seca
 62,19  37,81
Lastro
 67,75  32,25
Livramento
 57,38  42,61
Logradouro
 33,62  66,38
Lucena
 32,05  67,95
Mãe d'Agua
 51,63  48,37
Malta
 49,38  50,62
Mamanguape
 37,45  62,55
Manaíra
 45,62  54,38
Marcação
 37,29  62,71
Mari
 51,89  48,11
Marizopolis
 44,79  55,21
Massaranduba
 58,07  41,93
Mataraca
 57,82  42,18
Matinhas
 61,03  38,97
Mato Grosso
 13,18  86,82
Maturéia
 46,74  53,26
Mogeiro
 40,14  59,86
Montadas
 58,65  41,35
Monte Horebe
 57,80  42,20
Monteiro
 49,18  50,82
Mulungu
 47,71  52,29
Natuba
 41,83  58,17
Nazarezinho
 58,75  41,25
Nova Floresta
 52,20  47,80
Nova Olinda
 44,68  55,32
Nova Palmeira
 43,57  56,43
Olho d'Agua
 56,23  43,77
Olivedos
 44,05  55,95
Ouro Velho
 57,02  42,98
Parari
 40,47  59,53
Passagem
 47,44  52,56
Patos
 50,64  49,36
Paulista
 61,33 38,67
Pedra Branca
 53,04 46,96
Pedra Lavrada
 54,53  45,47
Pedras de Fogo
 42,79  57,21
Pedro Régis
 53,51  46,49
Pianco
 61,56  38,44
Picuí
 62,08  37,92
Pilar
 42,83  57,17
Pilões
 55,43  44,57
Pilõezinhos
 53,80  46,20
Pirpirituba
 47,52  52,48
Pitimbu
 51,72  48,28
Pocinhos
 56,43  43,57
Poço Dantas
 82,86 17,14
Poço de José de Moura
 49,46  50,04
Pombal
 52,00 48,00
Prata
 51,45  48,55
Princesa Isabel
 49,75  50,25
Puxinanã
 55,56 44,44
Queimadas
 59,99 40,01
Quixaba
 33,26 66,74
Remigio
 44,23  55,77
Riachão
 43,40 56,60
Riachão do Bacamarte
 52,46 47,54
Riachão do Poço
 48,08 51,92
Riacho de Santo Antônio
 34,20 65,80
Riacho dos Cavalos
 66,75 33,25
Rio Tinto
 43,57 56,43
Salgadinho
 54,66 45,24
Salgado de São Félix
 27,83 72,17
Santa Cecilia
 68,21 31,79
Santa Cruz
 40,47 59,53
Santa Helena
 55,48 44,52
Santa Inês
 68,55 31,45
Santa Luzia
 53,83 46,17
Santa Rita
 48,17 51,83
Santa Teresinha
 49,94 50,06
Santana de Mangueira
 42,02  57,98
Santana dos Garrotes
 51,50 48,50
Santarém
 27,34 72,66
Santo André
 41,31 58,69
São Bentinho
 42,69 57,31
São Bento
 53,38 46,62
São Domingos de Pombal
 37,35 62,65
São Domingos do Cariri
 54,34  45,66
São Francisco
 62,17  37,83
São João do Cariri
 46,07  53,93
São João do Rio do Peixe
 52,95  47,05
São João do Tigre
 43,58  56,42
São José da Lagoa Tapada
 71,76  28,24
São José de Caiana
 33,44  66,56
São José de Espinharas
 49,79  50,24
São José de Piranhas
 53,77 46,23
São José de Princesa
 24,80 75,20
São José do Bonfim
 40,24 59,76
São José do Brejo do Cruz
 32,90  67,10
São José do Sabugi
 55,62  44,38
São José dos Cordeiros
 53,57  46,43
São José dos Ramos
 43,16 56,84
São Mamede
 53,25 46,75
São Miguel de Taipu
 49,21 50,79
São Sebastiao de Lagoa de Roça
 63,76 36,24
São Sebastiao do Umbuzeiro
 57,37 42,63
Sapé
 53,18 46,82
Serido
 52,02 47,98
Serra Branca
 62,67 37,33
Serra da Raiz
 75,19 24,81
Serra Grande
 60,63 36,40
Serra Redonda
 44,77 55,23
Serraria
 63,94  36,06
Sertãozinho
 44,58 55,42
Sobrado
 43,46 56,54
Solânea
 61,00 39,00
Soledade
 36,11 63,89
Sossêgo
 41,91 58,09
Sousa
 59,73 40,27
Sumé
 43,27 56,73
Taperoá
 43,38 56,62
Tavares
 59,03 40,97
Teixeira
 50,14 49,86
Tenório
 61,07 38,93
Triunfo
 60,92 36,08
Uirauna
 73,42 26,58
Umbuzeiro
 53,97 46,03
Várzea
 54,55 45,45
Vieirópolis
 56,47 43,53
Vista Serrana
 37,76 62,24
Zabelê
 56,03 43,97