O Jornal Nacional Encurralou Dilma Roussef

Posted: terça-feira, 10 de agosto de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
2

No ano de 1989 o Brasil se surpreendia com a realização da primeira eleição para Presidente da República após a redemocratização do país.

Uma chapa com 22 candidatos foi oferecida ao eleitor brasileiro para que, em tese, o mais preparado fosse escolhido para governar nossa nação.

À época, uma novidade chamou a atenção de todo o país: o marketing!

A empresa que cuidou do marketing do candidato Fernando Collor soube utilizar todos os recursos disponíveis para “apresentar seu produto” e o vendeu muito bem.

Alguns anos mais tarde, descobriu-se que o ponto chave daquela eleição, o debate decisivo entre os candidatos Lula e Collor, no segundo turno, fora manipulado pela Rede Globo, de forma que a edição do programa favorecesse o ex-governador alagoano.

Desde então, uma desconfiança generalizada se instalou em relação a emissora de maior audiência e influência do Brasil.

Ontem, 09 de Agosto de 2010, fomos expostos à exibição da primeira entrevista do Jornal Nacional com os presidenciáveis, sendo Dilma Roussef a primeira sabatinada pelo casal William Bonner e Fátima Bernardes.

Ficou claro que a intenção da emissora era desestabilizar a candidata, colocando-a contra a parede com perguntas diretas, de gaveta, e com mudanças bruscas de linha de pensamento fazendo com que a candidata se encurralasse em suas próprias palavras, onde percebemos claramente sua deficiência em relação ao jogo de palavras.

De forma deselegante o “Casal Nacional” tratou Dilma Roussef como um fantoche do Presidente Lula e assim disse William Bonner ao indagá-la sobre sua inexperiência público-administrativa se Lula seria seu tutor.

A entrevista se tornou um tenso jogo de acusa-acusa, nos mostrando uma faceta ainda não conhecida dos apresentadores do telejornal.
Não estou defendendo a candidata Dilma, apenas me indignando com a possibilidade de, mais uma vez, o eleitor brasileiro se sujeitar às investidas da Rede Globo na manipulação da opinião pública e do voto consciente.

Conclamo o eleitor brasileiro a analisar da forma mais didática possível o seu candidato e votar pelos seus próprios critérios de avaliação.

2 comentários:

  1. Muito boa sua colocação Mannel.E sinceramente, foi ridícula a atuação do casalzinho da globo.

  1. Rodrigo César says:

    Grande Mané de guerra! Voltando com textos pautados na política nacional! Excelente ponto de vista, meu velho. Tb não gosto do jeito q a Globo trata da política brasileira.