De Quem é a Culpa?!?

Posted: domingo, 11 de abril de 2010 by Emmanuel do N. Sousa in
2

O ano de 2010, em nosso país,  inicia-se com notícias incomuns ao nosso cotidiano, em relação à catástrofes naturais.

O Brasil sempre se consolidou como um “paraíso” inserido no planeta Terra, por não ser assolado por desastres promovidos por intempéries, ou por disputas bélicas entre nações.

Ocorre que, desde final de 2009, os estados do Sudeste, em especial Rio de Janeiro e São Paulo, vêm creditando em seus balanços o ônus das destruições contínuas, provocadas pelo excesso de chuvas ocorridas nesse território, de forma extra-ordinária.

Por se tratar de eventos fortuitos, alguns brasileiros abusam da confiança ao se instalarem em áreas de riscos, edificando residências, de onde, ao longo dos anos, formam-se comunidades, abrigando incontáveis cidadãos expostos às calamidades possíveis nestas determinadas alocações.

Após os trágicos acontecimentos ocorridos em Angra dos Reis, Centro de São Paulo, Centro do Rio de Janeiro e Morro do Bumba, em Niterói, expostos exaustivamente pela mídia nacional, muito se especula sobre quem responsabilizar pelo episódio.

Os mais sensatos desvinculam a culpabilidade humana às eventualidades da natureza. Porém, não podemos deixar de analisar que, ao longo dos anos, as construções foram tomando os espaços naturais. As florestas pereceram às urbes, a costa oceânica foi invadida, as montanhas se transformaram em “morros” abrigando as favelas, entre tantos outros exemplos!

Já os mais radicais culpam os políticos.

A politicagem empregada nas tratativas eleitorais poderiam ter gerado “vistas grossas” às invasões e ocupações de áreas de riscos, permitindo o surgimento de sub-habitações e, por conseguinte, favelas, conjuntos habitacionais organizados de forma ilegal, desprovidos de quaisquer planejamentos infra-estruturais.

Eu sou um pouco sensato, temperado com radicalismo, porém, culpando ainda, o próprio ocupante das citadas áreas.

Foi a insistência constante desses cidadãos em deter seu “próprio” território, às custas do aproveitamento e das facilidades oferecidas em terrenos públicos que gerou o desmantelo urbano existente hoje em todas as metrópoles brasileiras.

Gestão, após gestão, campanha, após campanha, estas áreas enquanto serviam de motes de promessas eleitorais, cresciam vertiginosamente suas dimensões ocupadas, seja horizontal, ou verticalmente, no caso dos morros.

Diante de todo o exposto, ainda haveremos de nos preocupar com os efeitos  notórios do processo de aquecimento global, que já vem modificando o comportamento climático em todo o mundo, quiçá no nosso Brasil.

A verdade é que cada um de nós temos uma parcela de culpa em todo o caos urbano evidente, desde o tratamento do lixo doméstico até a gestão político-ambiental implementado pelo Poder Executivo em suas três esferas de governo.

2 comentários:

  1. J. Junior says:

    Prefiro nao apontar ninguem como culpado, mas digo que toda esta tragedia e fruto da falta de acompanhamento de nossas autoridades.

  1. nivandro says:

    O ministro da Economia Guido Mantega informou que o Brasil emprestará US$ 10 bilhões ao FMI (Fundo Monetário Internacional)....Não dá para enterder o Brasil. LULA alegre e feliz da vida por emprestar dinheiro ao FMI...pagar o debito jão nao lhe satisfez??? Os juros pagos anteriormente...tambem nao satisfez?? E o povo carecendo de terra, terreno, moradia...E de quem é a culpa?? Não deveria ser o governo gestor de toda situaçao..Ou temos que criar o BBBSolidariedade...e todos nós ligarmos e resolvermos..Ainda acho correto o ditado " Mateus primeiros os Meus "..cuide do povo brasileiro e depois empreste, dê ..faça o que quiser...Dê a Bolivia..em forma de fabrica e gasoduto...