Ah, Esse Passado...

Posted: quinta-feira, 18 de junho de 2009 by Emmanuel do N. Sousa in
2


Como fazer para um sujeito saudosista como eu entender que o tempo, sobre o qual a vida desliza, é efêmero e volátil...?

É duro viver preso a saudades, movendo pensamentos a buscar lembranças longínquas fazendo aflorar sentimentos que se mesclam entre bons e maus momentos pretéritos vividos, principalmente, aqueles mais intensos.

Tive uma infância marcante. Vivida intensamente cada dia minuto à minuto, segundo à segundo onde cada pulsar ficou marcado em minha memória de uma forma tal que qualquer fator correlato me faz revivê-los.

Um desses fatores é a música. As canções que compõem a trilha sonora do nosso cotidiano é facilmente assimilada em nossa memória em qualquer momento da vida, fazendo com que nosso cérebro transforme aquele som e uma lembrança correspondente.

Não sei por que teimo em querer ouvir, sempre, as músicas que embalaram não só meus sábados à noite, como também todos os meus dias, desde a aurora ao ocaso.

É impossível impedir que nosso cérebro transforme os sinais sonoros captados pelos nossos ouvidos em lembranças.

Meus dias, da infância à adolescência, eram regados a música (Como hoje ainda os são!). Às 5:30 da manhã, minha mãe me acordava para se preparar para ir ao Colégio ao som do Hino Oficial de Campina Grande, passava à tarde pelos ‘hits’ anos 80 e 90 e mergulhava no travesseiro me fazendo cochilar ouvindo os tradicionais programas românticos das Rádios FMs locais.

Ah... Essas músicas românticas são as piores para a lembrança!

O ‘deitar a cabeça no travesseiro’ é o momento do balanço do dia vivido. E, esses momentos ficaram eternizados em minha memória sendo preciso, apenas, a “senha” para a re-memória de qualquer dos instantes registrados.

Dizia o filósofo francês René Descartes “Penso, logo existo”, numa alusão clara ao fato do pensar atribuir à mente o fato da própria existência. Da mesma forma, trasmuto apenas o termo pensar, para ‘lembrar’. Fazendo, portanto, que minha vida seja um poço de emoções presentes no reviver do passado, vaticinando o amanhã.

2 comentários:

  1. André Aires says:

    Eita bixo sentimental da porra!!!
    Mané vamos tomar 'uma" que isso passa!
    kkkkkkkkkkkkkk
    gostei do texto

  1. Beth says:

    Muito bonito seu texto manneh!
    Tb lembrei de muita coisa passada!
    Beijos,