Homenagem à TV Borborema (Dep. Rômulo Gouveia)

Posted: sexta-feira, 26 de junho de 2009 by Emmanuel do N. Sousa in
0


Tenho a imensa satisfação de contar, em meu rol de amigos com o ínclito Adriano Figueiredo, bacharel em Direito e Administração, grande entusiasta da História Paraibana, principalmente nos assuntos de ordem política e esportiva, do qual recebi o texto que segue, de que trata da transcrição do discurso do deputado paraibano Rômulo Gouveia, homenageando a TV Borborema, emissora da vanguarda televisiva na Região Nordeste.

"Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, amigos e amigas nas galerias, todos os telespectadores da TV Câmara, o paraibano de Umbuzeiro Assis Chateaubriand tinha o mesmo espírito desbravador, empreendedor e inovador de Campina Grande. Afinal, foi naquela cidade que ele mandou instalar, em 1961, uma antena de TV, o que mais tarde se transformou na TV Borborema, uma emissora pertencente ao seu império de comunicações, o grupo Diários Associados, que desde então é motivo de orgulho para os campinenses e para a Paraíba, já que foi a primeira emissora de TV pioneira no Norte e no Nordeste do País.A TV Borborema entrou em fase experimental em 1963, tendo produzido os seus primeiros programas nessa época e tendo sido inaugurada oficialmente em 14 de março de 1966 — acabou de completar 43 anos no último dia 14.Foi um grande impacto para a cidade. Todos queriam conhecer aquele veículo que unia a oralidade do rádio com as imagens de cinema. E foi realmente um grande sucesso, como continua até hoje. Foi um empreendimento que envolveu e ainda envolve todos os segmentos organizados da cidade de Campina Grande e da Paraíba. Segundo o saudoso Hilton Mota, na época um dos responsáveis por essa inovação, já que era Superintendente dos Diários Associados para o Nordeste, ao conceder entrevista para a série de documentários Patrimônio Histórico, produzido pelo jornalista Rômulo Azevedo: "A televisão em Campina Grande surgiu pioneira sobre a inspiração de Assis Chateaubriand, mas principalmente com o apoio de um grupo de campinenses, entre os quais podemos citar Newton Rique, de saudosa memória, e outros campinenses entusiasmados com o progresso, o desenvolvimento... que naquela ocasião representava nada mais nada menos de que o décimo terceiro município do Brasil em importância econômica, financeira, de modo que, sob esse desafio e sob essa inspiração de Assis Chateaubriand" — fundador dos Diários Associados — "nós tomamos a iniciativa de criar, em Campina Grande" — a TV Borborema. A nossa TV Borborema foi até a extinção da Rede Tupi, em 1980, uma das sua emissoras. Com o desaparecimento da Rede Tupi, passou a integrar a Rede de Emissoras Independentes, sob a liderança da TV Record, de São Paulo, e da TVS, do Rio de janeiro. Após esse período, passou a integrar a Rede Globo; em 1986, a Rede Manchete e, a partir de 1989, tornou-se filiada do SBT, onde mantém sua programação. A TV Borborema veicula também uma grade de programação própria, de interesse dos campinenses e paraibanos. Devo lembrar da dedicação e abnegação dos pioneiros dessa grande empresa. Sem querer incorrer em omissões, lembro de grandes nomes que passaram pelo Departamento Comercial da TV Borborema: Estenio Mozart, Jonathas Mahon, Paulo Rogério, Afonso Marreiro, Mozart Santos, dentre outros.Lembro também dos grandes profissionais e pioneiros daquela Casa, a exemplo do cinegrafistas Elídio Pereira e Carlos Xapéu, que participaram da primeira transmissão ao vivo da Paraíba e a operação da 1ª Unidade de Transmissão Externa do Norte-Nordeste, e uma das primeiras do País. Para se ter uma ideia da importância da TV Borborema, as novelas da Rede Tupi que eram gravadas em videotaipe, eram veiculadas primeiramente em Campina Grande, que gerava as imagens a serem retransmitidas no resto do Nordeste. Recordo também que a TV Borborema faz parte da memória afetiva dos campinenses e paraibanos. Quem não se lembra dos telejornais apresentados pelos inesquecíveis Evandro Barros e Geraldo Batista e por Gilson Souto Maior; dos comerciais ao vivo feitos pelo jornalista Germano Ramalho; de um dos primeiros programas de variedades da TV brasileira, que falava da sociedade campinense e paraibana, Graziela em sua Casa, apresentado pela querida jornalista Graziela Emerenciano; do futebol, com os Comentários, do saudoso Humberto de Campos? Os adultos de hoje, que comandam os destinos e a vida econômica de Campina, foram as crianças que brincaram nas décadas de 70 e 80, com os programas dos Palhaços Carrapeta, interpretado pelo Prof. Luis Holanda, e Pipokinha, interpretado por Alberto Morais. As músicas e brincadeiras apresentadas pelos saudosos palhaços encantaram várias gerações de meninos e meninas da cidade. Os programas eram levados ao ar todos os dias ao vivo.Na política, tínhamos o grande jornalista Chico Maria, que apresentou por anos um dos programas de maior audiência da TV, Confidencial, e os comentários políticos do jornalista Tarcisio Cartaxo. Não nos esqueçamos também de Geovanes Antonio e Evilásio Junqueira, no programa Hora do Povo na TV; de José Claúdio, na Patrulha da Cidade — programas e tipos inesquecíveis, alguns no ar e com grande sucesso até hoje.Hoje, ao lado da retransmissão da programação de rede, a TV Borborema tem uma vasta produção local em sua programação voltada para a divulgação das notícias locais, das coisas e da cultura de nossa gente e também realiza um trabalho de cunho social, que passo a citar: o Programa Opinião traz entrevistas com personalidades de Campina Grande e de outras regiões, além de abordar assuntos contemporâneos e fornecer informações sobre temas do dia-a-dia, tendo a participação de políticos e autoridades; O Esporte no 9 é voltado para notícias que têm como eixo a atividade física, com ênfase para o esporte amador; Patrulha da Cidade é um dos grandes sucessos de audiência — o tema principal é área de segurança em Campina Grande, com espaço aberto para todos os que desejam participar fazendo denúncias e reivindicações; Hora do Povo, um dos grandes prestadores de serviço à comunidade, também um campeão de audiência, é um programa reconhecido de utilidade pública pela Câmara Municipal, constitui-se num elo entre a população e as autoridades, evidenciando as questões sociais de Campina Grande; Borborema Notícias, noticiário local que mostra os fatos ocorridos em Campina Grande e no Estado, foi o primeiro telejornal local criado em Campina Grande, que se pauta pela independência nas informações veiculadas; Rogério Freire é um programa de variedade que aborda temas como sociedade, culinária, turismo, cultura, saúde e eventos, apresentado pelo jornalista de mesmo nome; Momento Junino é um programa de divulgação de todas as manifestações culturais do ciclo junino, apresentado pelo jornalista Abílio José, dos quais Campina Grande é o grande expoente no Nordeste e que durante os meses de maio e junho apresenta as grandes atrações desses festejos. Esse programa, até hoje, é o grande líder no IBOPE de todos os programas televisivos apresentados na Paraíba durante o período.Podemos afirmar que a TV Borborema é, aos 43 anos, um veículo que se destaca por ser nitidamente regional, totalmente comprometida com as coisas e a gente de Campina Grande. Sempre acompanhou as evoluções tecnológicas e enfrentou as mais diversas crises e a concorrência com outras emissoras sem perder o seu estilo moderno e dinâmico, oferecendo informação e entretenimento com qualidade, buscando sempre preservar os seus telespectadores e conquistar novos, que acompanham com verdade e precisão todas as constantes mudanças ocorridas no Brasil e no mundo.O aspecto mais relevante que podemos destacar nesses 43 anos de existência da TV Borborema foi e é o seu compromisso, desde o início, com o processo de desenvolvimento econômico e social de Campina Grande. As grandes mudanças no perfil da cidade, que atravessou nesse período, diversos ciclos econômicos, tiveram o impulso e a participação da TV Borborema.A criação dos pólos de informática, de ciência e tecnologia, do pólo coureiro-calçadista, do pólo universitário e dos grandes eventos, a iniciar pelo Festival de Inverno, Congresso de Violeiros, Encontro para a Nova Consciência, Micarande e o principal deles, O Maior São João do Mundo, todos acontecimentos que influíram diretamente no povo, no urbanismo e na economia da cidade, tiveram o apoio firme e a divulgação responsável desse importante veículo de comunicação.Quero, desta tribuna, externar os votos de parabéns pelos 43 anos de fundação e congratulações pelo excelente trabalho informativo e social que, prestado pela TV Borborema a toda a comunidade paraibana, o que faço em nome de todo o seu corpo técnico e jornalístico e nas pessoas da Editora-Chefe, jornalista Neide Nascimento; do executivo Marcelo Antunes, Diretor do Grupo Associados no Município; de Carlos Pereira, que assume a Direção Estadual dos Diários Associados, que, juntamente com os demais órgãos de comunicação do grupo, já estão inseridos na história do progresso, da pujança, da inovação e do desenvolvimento de Campina Grande. Ao encerrar, faço o registro daqueles que comandavam os Diários Associados na Paraíba até quarta-feira: Cecílio Fonseca e Augusto Correia Lima. Meus cumprimentos pelo ingresso ao Prof. Carlos Pereira Carvalho. Peço a V.Exa., Sr. Presidente, que o meu pronunciamento seja inserido nos Anais da Casa e divulgado nos meios de comunicação desta Casa, Sr. Presidente.Muito obrigado, Deputado Wellington Fagundes."

Ah, Esse Passado...

Posted: quinta-feira, 18 de junho de 2009 by Emmanuel do N. Sousa in
2


Como fazer para um sujeito saudosista como eu entender que o tempo, sobre o qual a vida desliza, é efêmero e volátil...?

É duro viver preso a saudades, movendo pensamentos a buscar lembranças longínquas fazendo aflorar sentimentos que se mesclam entre bons e maus momentos pretéritos vividos, principalmente, aqueles mais intensos.

Tive uma infância marcante. Vivida intensamente cada dia minuto à minuto, segundo à segundo onde cada pulsar ficou marcado em minha memória de uma forma tal que qualquer fator correlato me faz revivê-los.

Um desses fatores é a música. As canções que compõem a trilha sonora do nosso cotidiano é facilmente assimilada em nossa memória em qualquer momento da vida, fazendo com que nosso cérebro transforme aquele som e uma lembrança correspondente.

Não sei por que teimo em querer ouvir, sempre, as músicas que embalaram não só meus sábados à noite, como também todos os meus dias, desde a aurora ao ocaso.

É impossível impedir que nosso cérebro transforme os sinais sonoros captados pelos nossos ouvidos em lembranças.

Meus dias, da infância à adolescência, eram regados a música (Como hoje ainda os são!). Às 5:30 da manhã, minha mãe me acordava para se preparar para ir ao Colégio ao som do Hino Oficial de Campina Grande, passava à tarde pelos ‘hits’ anos 80 e 90 e mergulhava no travesseiro me fazendo cochilar ouvindo os tradicionais programas românticos das Rádios FMs locais.

Ah... Essas músicas românticas são as piores para a lembrança!

O ‘deitar a cabeça no travesseiro’ é o momento do balanço do dia vivido. E, esses momentos ficaram eternizados em minha memória sendo preciso, apenas, a “senha” para a re-memória de qualquer dos instantes registrados.

Dizia o filósofo francês René Descartes “Penso, logo existo”, numa alusão clara ao fato do pensar atribuir à mente o fato da própria existência. Da mesma forma, trasmuto apenas o termo pensar, para ‘lembrar’. Fazendo, portanto, que minha vida seja um poço de emoções presentes no reviver do passado, vaticinando o amanhã.

Na Paraíba, Somente o Forró Autêntico!

Posted: quarta-feira, 10 de junho de 2009 by Emmanuel do N. Sousa in
0


Um projeto de lei polêmico está sendo apresentado à Assembléia Legislativa Paraibana, de autoria do Deputado Dunga Júnior (PTB), representante da região do Cariri estadual, mais precisamente do Município de Boqueirão.

O projeto lida com o tema contratações artísticas durante períodos juninos em nosso Estado. Em seu cunho, visa tornar proibitivo, a contratação de artistas que não estejam ligados à cultura regional nordestina por parte do Poder Público em suas tradicionais festas de São João.

Ou seja, qualquer atração que não seja forrozeiro pé-de-serra estará com seus dias contados para que se apresentem em praça pública no estado, em qualquer esfera de governo.

Trata-se de uma medida contenciosa, uma vez que nossas raízes culturais, ano após ano, vêm esmaecendo no cenário artístico, ante a invasão de bandas de forró estilizado, dos grupos baianos de axé e incontáveis duplas sertanejas, sendo as mesmas difundidas como atrações principais em eventos juninos.

Uma medida semelhante é praticada no município de Caruaru.

Nos últimos anos o próprio “Maior São João do Mundo”, festa que engrandece a cidade de Campina Grande, e o Estado da Paraíba, tornando-nos notícia nacional, vem contribuindo para este esmaecimento da cultura forrozeira local, um vez que prioriza a contratação de bandas de forró estilizado, em detrimento aos artistas locais e/ou atrações caracterizadas pela apresentação do forró dito autêntico.

Apesar de polêmico, o projeto de Lei intenciona o fortalecimento da cultura local, o resgate e o reconhecimento dos artistas locais (alguns em plena atividade, porém escanteados dos grandes eventos locais).

“É triste ver um Biliu de Campina, em Genival Lacerda, serem relegados ao esquecimento. Precisamos resgatar esses valores da nossa terra, para que a nossa música seja preservada.” – Desabafou o deputado.

(Fonte: Site Oficial da AL-PB - http://alpb.codata.pb.gov.br/index.php)

Será que é ele...?!?

Posted: quarta-feira, 3 de junho de 2009 by Emmanuel do N. Sousa in
2


Eu pensava que a ascensão de José Maranhão ao Palácio da Redenção traria o Prefeito Veneziano Vital ao patamar da realidade administrativa da Rainha da Borborema, fazendo-o governar como Gestor, ao invés de pré-candidato a Governador.

Ledo engano!

Porém, o que soa estranho, é que tudo conspira para uma tática muito bem tramada por velhos macacos da política local.

Ao que tudo indicava, José Maranhão seria o candidato natural à “re-eleição”, uma vez que nenhum ato irresponsável levava-nos a crer em um rompimento político com o prefeito cabeludo; inclusive estando o Governador nomeando asseclas do grupo de Veneziano em cargos regionais do Governo do Estado.

Até outro dia, nem Veneziano, muito menos Maranhão, tocavam no assunto 2010 em oração de primeira pessoa. Sempre havia a candidatura natural de Zé, para um, ou haviam “outros nomes no partido” para o outro.

O que ocorre agora é de se estranhar!

Depois da oposição (diga-se, aliados de Cássio Cunha) sinalizar que estará abraçando a candidatura independente de Ricardo Coutinho, inclusive em detrimento às sugestões nominativas de Cícero Lucena ou Efraim Morais, o prefeito de Campina Grande resolveu iniciar suas articulações políticas em vistas ao lançamento, efetivo, da sua candidatura à Governador.

Constantemente nos surpreendemos com notas da imprensa dando conta das “visitas cordiais” de Vené à Municípios vizinhos (até na Capital ele já esteve), quem sabe costurando alianças com as lideranças locais.

Há quem diga que o Deputado Federal Vital Filho já cogita abdicar da campanha à re-eleição se disso depender para o crivo do nome do seu irmão caçula à cabeça da chapa majoritária em 2010.

Outra coisa passiva de estranheza... José Maranhão se encontra passivo à tudo isso, ou tudo acontece com o seu consentimento?!?!

Será que a mais experiente raposa da política paraibana guarda o trunfo na manga que atende pela alcunha de Cabeludo?

É muito provável que Zé Maranhão conte com Veneziano Vital como seu candidato oficial à sucessão estadual, haja visto sua grande popularidade nas regiões do Agreste, Cariri e Sertão, como único candidato, provável, em condições reais de enfrentar Ricardo Coutinho de igual para igual!

(Lembremos, inclusive, que Veneziano esteve em companhia do ex-deputado Benjamim (Bejinha) Maranhão em recente visita ao município de Guarabira, reduto eleitoral do ex-governador Roberto Paulino, sua esposa Fátima e seu filho Ranieri)

O ano de 2010 começou faz tempo, mas, suas definições estão longe de ter início.