Extorsão no Parque do Povo (flanelinha é favor ou prestação de serviços?)

Posted: sexta-feira, 29 de maio de 2009 by Emmanuel do N. Sousa in
3


Hoje, 29 de Junho de 2009, terá início mais um "Maior São João do Mundo".
Em 2007, publiquei um repúdio que doravante o período junino que se reinicia, cabe-me repetir tal protesto!

"Nos últimos anos não tenho sido um dos mais regulares freqüentadores do Parque do Povo.

Porém, nesse tempo, tenho me constrangido quando preciso estacionar em seus arredores.

Os terrenos baldios são preparados para receber os veículos e para explorar a situação. Neste ano, são cobrados R$ 10,00 (dez reais) pela estada. Certo! O uso do estacionamento provavelmente manterá o carro seguro.

Quem não pode, não quer ou não encontra vagas nos ‘estabelecimentos’, recorrem às vias marginais.

E aí que vem o pasmem!!!

RUA
[Do lat. ruga, 'ruga', posteriormente 'sulco', 'caminho'.]
S. f.1. Via pública para circulação urbana, total ou parcialmente ladeada de casas.

Qual o direito que tem os populares ‘flanelinhas’ de cobrarem pela permanência dos veículos estacionados nas ruas?!?! Com que autoridade esses contraventores lhe condicionam uma senha informando, inclusive, o valor que deve ser pago à eles?!?!

Nem prefeitura, nem polícia, nem Ministério Público tomaram nenhuma atitude quanto à isso desde o início de sua prática.

Todos têm direito à buscar ganhar a vida de forma digna. Mas, extorsão é demais! Esses patifes devem ser tratados como marginais.

Pra mim, ‘guardador de carros’ em época de São João é uma bando de malandros, aproveitadores, que se utilizam da necessidade dos motoristas para praticar extorsão.

Com a palavra, o Ministério Público, a Polícia e demais órgãos governamentais."

Dois anos se passaram, e a tal prática continua a mesma. Inclusive nos sendo impostas ameaças quando não concordamos com as condições promovidas pelos ínclitos "proprietários" dos pontos públicos de estacionamento.

3 comentários:

  1. Adriano Freire says:

    Aprecio e concordo plenamente com sua indignação, estamos alimentando um comércio que não nos dá nada além de dor de cabeça e chateação...

    Um grande abraço, meu amigo... Muito bom vê-lo ontem...

    Deus te abenço!

  1. André Aires says:

    Odeio franelinhas!
    E acontece isso com todo mundo.
    Vlw pelo texto.

  1. Sensacional o seu texto! Pensei que esse ato acontecia somente aqui, mas vejo que a degradação é geral, em todo o país. Belo exemplo para os que vem conhecer o nosso país. De repente, os governantes achem bonito, afinal de contas, é mais um brasileiro que possue um atividade "remunerada".
    PS: Moro em Sã Vicente, Estado de S.P.