"Vige" como tem Zé na Paraíba!

Posted: quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009 by Emmanuel do N. Sousa in
0


Ironicamente falando, claro, como tem “Zé” na nossa pequenina e heróica Paraíba.

Hoje, 18 de Fevereiro de 2009, assumem os poderes municipal e estadual, dois dos Zés mais em ‘voga’ da nossa política local: Zé Luiz assume interinamente a Prefeitura Municipal de Campina Grande, enquanto outro Zé, o Zé Maranhão, deverá ser empossado, definitivamente no cargo de Governador do Estado, donde outro Zé, o Zé Lacerda, acaba de perder o cargo de vice.

Afora as comparações homônimas, os dois estão longe um do outro em matéria de igualdade de poderes ou prestígio político.

José Luiz Júnior é o vice-prefeito re-eleito de Campina Grande. Apesar de uma folha de serviços bastante extensa em prol da comunidade campinense, não é considerado uma figura de proa na política local. Aliás, o seu nome chegou a ser discutido se deveria, ou não, ser indicado para compor novamente a chapa majoritária com Veneziano Vital,ou seja, não representa uma unanimidade entre seus próprios correligionários.

Responderá pela prefeitura campinense nos próximos dez dias, porém, em sua transmissão de cargo, o titular Veneziano Vital afirmara que esta feita trata-se de um “treino” ante as demais situações vindouras as quais Zé Luiz terá de reassumir o comando do paço municipal.

Por outro lado, após ter trilhado todos os estágios da vida pública, José Targino Maranhão atualmente é senador e espera estar pondo um ponto final no embróglio que se criou desde a decisão do TRE em cassar o mandato do atual governador Cássio Cunha Lima.

Desde 2007 que mantém a expectativa de assumir, de forma efetiva, o cargo, em detrimento a manobras jurídicas interpostas pela defesa do governador Cássio.

Aparentemente, de forma decisiva, na noite de ontem o TSE manteve a decisão regional e determinou a posse do senador em caráter urgente, haja visto o processo de vacância que se desencadeou com o imediato afastamento de Cássio Cunha do poder.

Agora são 18:05Hs e ainda não tenho certeza se temos um novo recurso acolhido em algum dos órgãos federativos mudando a decisão de empossa-lo. Depois de duas, ou três tentativas frustradas de modificação no comando do Estado, é melhor esperar até amanhã para apurar a confirmação da decisão, ou constatar que há mais brechas nas leis brasileiras, que furos em um queixo suíço.

O Curioso Caso de Benjamin Button

Posted: segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009 by Emmanuel do N. Sousa in
0


Incrível! Fantástico! Coerente! Emocionante!
Quaisquer que fossem os predicados não seriam o bastante para dignificar a magnificência da produção cinematográfica recente, do diretor David Fischer, “O Curioso Caso de Benjamin Button”.
Brad Pitt representa, de forma excepcional, o personagem Benjamin, nascido com uma espécie de síndrome patológica (fictícia) que o fez iniciar sua vida com características físicas de um idoso de, mais ou menos, 85 anos.
Abandonado pelo pai biológico pelo fato da mãe ter morrido do seu parto, Benjamin é criado (sic!) em uma casa de convivência para idosos, adotado pela responsável da casa como seu filho.
Através de uma narrativa coerente ao propósito inicial do roteiro, à partir de um prólogo que mostra um relógio que se movimenta no sentido contrário, a vida do jovem Benjamin é traçada sobre um paralelo inversamente proporcional, onde suas capacidades cognitivas ascendem enquanto seus atributos físicos de um velho decrépito vão se rejuvenescendo a cada dia.
Seguindo uma lógica irreal, ou surreal, Benjamin descobre o amor ainda criança, em um corpo de 75 anos. À primeira vista, os olhos azuis de uma menina que, no futuro, será vivida pela bela Cate Blanchet, conquistam o “jovem idoso” e, é esta história de amor que amarra a narrativa.
A extrema competência da produção, em sua proposta, traduz uma das mais lindas, cativantes e impressionantes histórias de amor – e de vida - nos levando às lágrimas ao final, no desfecho da trama. Ainda nos dando uma surra emocional na forma de uma verdadeira lição, que nos leva a repensar nossas atitudes ao longo da nossa vida.
Seja de forma gradativa ascendente, ou através do curioso caso de Benjamin Button, que viveu em retrocesso físico, fica bem grifada a mensagem principal do filme de que a “vida é efêmera”.

Com certeza, é uma das grandes apostas para arrebatar a maioria dos prêmios aos quais for indicado na gradne festa do Oscar 2009.