1 Ano de Muita Saudade

Posted: sábado, 30 de junho de 2007 by Emmanuel do N. Sousa in
0

Neste domingo, completa-se um ano desde que Deus teve misericórdia de todos nós e levou Tharsila para ser tratada pelos Anjos no Céu, do que na Terra não haveria sucesso...
Sinto, à cada dia, à cada hora, minuto ou segundo, a dor da sua falta e a decepção pelo que ocorrera, mas, fui convencido a agradecer à Deus pela oportunidade de ter sido pai.
Tharsila veio me ensinar muita coisa. Veio me mostrar o outro lado da vida, onde tão cedo precisei ser exposto à tanta coisa que nunca imaginara sentir ou viver.
Infelizmente, não posso mais senti-la em meus braços, ou acalenta-la em meu colo... À cada segundo, qdo pisco meus olhos, sua imagem está perene em meu pensamento. Nunca paro de pensar, ou lembrar dela e dos momentos que vivemos (os bons e os difíceis).
Desde o ano passado que meus sonhos de realização pessoal foram menosprezados por mim mesmo.
Nada mais me contenta.
Preferia não ter, nem conquistar nada, à tê-la conosco (desde que fosse possível em sua saúde plena). Como isso não teria sido possível, indamais agora...
Meu maior desejo, meu sonho de Natal, meu maior presente NUNCA será atendido por Papai Noel.
Quem sabe, um dia (não sabemos como é o do outro lado) possa me encontrar novamente com ela!
Hoje, divido com vcs, meus amigos, a angustia desse dia nebuloso sabendo que todos vcs é, foram e sempre serão, peças fundamentais na minha vida e têm me ajudado em todos os meus dias.
Abraços

Antologia Musical-Eternizada na voz de Luiz Gonzaga

Posted: quarta-feira, 27 de junho de 2007 by Emmanuel do N. Sousa in
0


Tropeiros da Borborema
Composição: Raimundo Asfora / Rosil Cavalcante

Estala relho marvado
Recordar hoje é meu tema
Quero é rever os antigos tropeiros da Borborema

São tropas de burros que vêm do sertão
Trazendo seus fardos de pele e algodão
O passo moroso só a fome galopa
Pois tudo atropela os passos da tropa
O duro chicote cortando seus lombos
Os cascos feridos nas pedras aos tompos
A sede e a poeira o sol que desaba
Rolando caminho que nunca se acaba

Estala relho marvado
Recordar hoje é meu tema
Quero é rever os antigos tropeiros da Borborema

Assim caminhavam as tropas cansadas
E os bravos tropeiros buscando pousada
Nos ranchos e aguadas dos tempos de outrora
Saindo mais cedo que a barra da aurora
Riqueza da terra que tanto se expande
E se hoje se chama de Campina Grande
Foi grande por eles que foram os primeiros
Ó tropas de burros, ó velhos tropeiros.

Decepção de Si

Posted: quinta-feira, 21 de junho de 2007 by Emmanuel do N. Sousa in
1


A decepção amargura a alma.
Te põe pra baixo,
desanima,
te faz desconcentrar,
ser infeliz de si mesmo.

Decepcionar-se consigo próprio
é inconfortável.
Faz-te sentir incapaz,
A vontade é de desistir de tudo.

Se fosse possível voltar no tempo...

Esperar o mínimo de si,
Gabar-se da condição de esforço próprio,
Ser traído pela própria incapacidade,
De valer-se da memória, ou da lembrança,
Será castigo, isso acontecer sempre?

Ontem cheguei muito perto!
Seria a excelência.
Meu primeiro – e derradeiro
E primordial 10,0 numa prova.
Manteve-se a escrita do ‘quase’...
Maldita DRE...

Vou pra final,
Cabeça erguida? Que nada!
A sensação é de que eu poderia
Ter evitado. Ter conseguido. Ter passado!
Como faltou pouco!
Maldita DRE...

A decepção ME amargura a alma.
ME põe pra baixo,
desanima,
ME faz desconcentrar,
ser infeliz de MIM mesmo.

Extorsão no Parque do Povo

Posted: sexta-feira, 15 de junho de 2007 by Emmanuel do N. Sousa in
1

Nos últimos anos não tenho sido um dos mais regulares freqüentadores do Parque do Povo. Porém, nesse tempo, tenho me constrangido quando preciso estacionar em seus arredores. Os terrenos baldios são preparados para receber os veículos e para explorar a situação. Neste ano, são cobrados R$ 10,00 (dez reais) pela estada.
Certo. O uso do estacionamento provavelmente manterá o carro seguro.
Quem não pode, não quer ou não encontra vagas nos ‘estabelecimentos’, recorrem às vias marginais. E aí que vem o pasmem!!!

RUA
[Do lat. ruga, 'ruga', posteriormente 'sulco', 'caminho'.]
S. f.
1. Via pública para circulação urbana, total ou parcialmente ladeada de casas.

Qual o direito que tem os populares ‘flanelinhas’ de cobrarem pela permanência dos veículos estacionados nas ruas?!?! Com que autoridade esses contraventores lhe condicionam uma senha informando, inclusive, o valor que deve ser pago à eles?!?!
Nem prefeitura, nem polícia, nem Ministério Público tomaram nenhuma atitude quanto à isso desde o início de sua prática.
Todos têm direito à buscar ganhar a vida de forma digna. Mas, extorsão é demais!
Esses marginais devem ser tratados como marginais.
Pra mim, ‘guardador de carros’ em época de São João é uma bando de ladrões, que se aproveitam da necessidade dos motoristas para praticar extorsão.
Com a palavra, o Ministério Público, a Polícia e demais órgãos governamentais.

Se eu morrer antes de você, faça-me um favor:

Posted: segunda-feira, 11 de junho de 2007 by Emmanuel do N. Sousa in
1


Chore o quanto quiser, mas não brigue com Deus por Ele haver me levado.

Se não quiser chorar, não chore. Se não conseguir chorar, não se preocupe.

Se tiver vontade de rir, ria. Se alguns amigos contarem algum fato a meu respeito, ouça e acrescente sua versão.

Se me elogiarem demais, corrija o exagero.

Se me criticarem demais, defenda-me.

Se me quiserem fazer um santo, só porque morri, mostre que eu tinha um pouco de santo, mas estava longe de ser o santo que me pintam.

Se me quiserem fazer um demônio, mostre que eu talvez tivesse um pouco de demônio, mas que a vida inteira eu tentei ser bom e amigo.

Espero estar com Ele o suficiente para continuar sendo útil a você, lá onde estiver.

E se tiver vontade de escrever alguma coisa sobre mim, diga apenas uma frase: - "Foi meu amigo, acreditou em mim e me quis mais perto de Deus!" - Aí, então, derrame uma lágrima.

Eu não estarei presente para enxugá-la, mas não faz mal.

Outros amigos farão isso no meu lugar.

E, vendo-me bem substituído, irei cuidar de minha nova tarefa no céu.

Mas, de vez em quando, dê uma espiadinha na direção de Deus.

Você não me verá, mas eu ficaria muito feliz vendo você olhar para Ele.

E, quando chegar a sua vez de ir para o Pai, aí, sem nenhum véu a separar a gente, vamos viver, em Deus, a amizade que aqui nos preparou para Ele.

Você acredita nessas coisas?

Então ore para que nós vivamos como quem sabe que vai morrer um dia, e que morramos como quem soube viver direito.

Amizade só faz sentido se traz o céu para mais perto da gente, e se inaugura aqui mesmo o seu começo.

Mas, se eu morrer antes de você, acho que não vou estranhar o céu...

"Ser seu amigo... já é um pedaço dele..."

Chico Xavier

A FELICIDADE

Posted: segunda-feira, 4 de junho de 2007 by Emmanuel do N. Sousa in
1




A felicidade é algo que não se compra,
Nem com todo o dinheiro do mundo.
A felicidade é algo que se encontra
Dentro de nós mesmos, bem lá no fundo.
A felicidade não pode ser roubada,
Nem pode ser tomada de outra pessoa.
A felicidade tem que ser buscada;
E temos que fazer isso, numa boa.
A nossa felicidade para ser alcançada,
É preciso que saibamos amar e ser amado
E perdoar os erros da pessoa amada.
A felicidade está em nós e em tudo
Que se faz com a mente desanuviada
Do mal, da inveja e do ódio acima de tudo.
(autor desconhecido)